REDD+ Moçambique

O que é REDD+

REDD+ (Redução de Emissões do Desmatamento, Degradação florestal e aumento dos estoques de carbono) é um mecanismo que foi acordado em Bali pela Conferência das Partes (COP), no âmbito da Convenção Quadro das Nações Unidas para as Mudanças Climáticas. Este mecanismo visa reconhecer o papel das florestas na mitigação do efeito das mudanças climáticas e a necessidade de compensar os países que contribuem para o efeito, através de medidas que promovam a conservação destas florestas.

Quais são os objectivos do REDD+?

O REDD+ tem como meta reduzir as causas das Mudanças Climáticas. Esta representa um conjunto de acções que incluem reduzir o desmatamento e a degradação florestal, promover o maneio florestal sustentado, promover a conservação de ecossistemas e biodiversidade, aumentar os stocks de carbono, entre outras acções.  

Porque REDD+ em Moçambique?

Moçambique tem uma cobertura florestal de cerca de 40 milhões de hectares, correspondentes a cerca de 50% da superfície nacional. Entretanto, a taxa de desmatamento é estimada em cerca de 219 mil hectares por ano, correspondente a 0.58%. As causas principais desse desmatamento são a pressão humana através da agricultura itinerante, produção de carvão, recolha de lenha e as queimadas descontroladas.  

Em Moçambique, a conversão de áreas de florestas para agricultura itinerante, as queimadas descontroladas, e a utilização de lenha e carvão como fonte de energia constituem as principais fontes de emissões, com cerca de 80%.  Isto porque as áreas de florestas e os ecossistemas naturais são grandes reservatórios e sumidouros de carbono por sua capacidade de absorver e estocar CO². Mas quando acontece um incêndio florestal ou uma área é desmatada, esse carbono é liberado para a atmosfera, contribuindo para o efeito estufa e o aquecimento global.

As consequências das Mudanças Climáticas em Moçambique

As consequências das Mudanças Climáticas são de âmbito global e já se fazem sentir em Moçambique. Entre os impactos verificados estão as secas cíclicas, as depressões tropicais, a subida do nível das águas do mar, entre outras, o que por sua vez pode causar destruição de infraestruturas, perda de culturas agrícolas, insegurança alimentar e desnutrição principalmente nas crianças.

Oportunidades de implementação do REDD+ em Moçambique

As florestas têm capacidade de reduzir as causas das Mudanças Climáticas e assim  prover bens e serviços que geram renda e bem-estar para as comunidades locais.

Através REDD+, Moçambique tem potencial para reduzir o desmatamento, conservar florestas e promover o plantio de arvores para:

  • Melhorar do bem-estar das populações locais
  • Reduzir as causas de Mudanças Climáticas

O aumento da produtividade agrícola é imprescindível, para que o aumento da produção não signifique aumentar as áreas cultivadas, e as florestas convivam lado-a-lado com a agricultura. Neste contexto, a agricultura de conservação constitui uma opção alternativa à agricultura itinerante.

O plantio de árvores é uma tarefa muito importante não apenas para o armazenamento de carbono, mas também para utilidade local, tal como, por exemplo, na protecção costeira nos mangais, a combinação com a agricultura em forma de sistemas agroflorestais, as plantações de parcelas comunitárias ou familiares para produção de estacas e postes, e plantações industriais para produção de madeira industrial e seus derivados.

O Maneio Florestal Sustentado significa adicionar valor aos produtos florestais, gerar emprego para as comunidades rurais, e reduzir as exportações de produtos florestais. A exploração florestal com base em concessões de longo prazo propicia a promoção da indústria rural e infraestrutura associada, bem como a atribuição de 20% da taxa de exploração de madeira para as comunidades vizinhas.

A conservação de florestas para a conservação de biodiversidade e desenvolvimento de iniciativas de eco-turismo. A participação da comunidade na gestão de lodges comunitários é uma prática comum e pode ser incentivada para melhorar e diversificar as fontes de renda de famílias rurais.

O uso de energias novas e renováveis, a começar pelo aumento da eficiência na utilização do combustível lenhoso, usando fogões poupa-lenha, biocombustíveis, painéis solares, e a utilização de gás natural (que apesar de ser um combustível fóssil tem baixas emissões).